Buscar
  • Jônatas Oliveira

O corpo pede e a mente julga: O desejo intenso por comida e o vício.




Ao longo dos últimos anos existe a hipótese de que o vício explicaria a forma que algumas pessoas comem. O impulso de buscar, a perda de controle no comer e o consumo apesar das consequências negativas (ganho de peso por exemplo), parecem criar uma espécie de ciclo. Muito antes de qualquer biscoito ter sido oferecido para ratinhos em laboratório ou a genética de pessoas ter sido estudada, a noção de vício em comida já era presente no discurso popular.


Com o passar do tempo fomos observando que o foco na comida tem menor relevância, mas que a relação que as pessoas estabelecem é mais importante. Em um estudo recente analisei dados de 190 mulheres de um grupo de apoio para Transtorno Alimentar, e de acordo com a escala de vício em comida de Yale 95% delas (n = 181) teriam “vício em comida”. Neste estudo observamos que quanto mais crítica a pessoa tem sobre seu comportamento alimentar, maior a identificação com a noção de vício. (1)


Quando se pensa em autocompaixão, basicamente trata-se de uma definição da forma que as pessoas lidam com sofrimento, no caso da comida ele poderá ser chamado de dificuldade em controle ou “vício em comida”. Essa dificuldade se dá provavelmente pelo fato das pessoas no momento do preenchimento da escala de Yale se depararem com instruções que falam: “Esta pesquisa pergunta sobre seus hábitos alimentares no último ano. As pessoas às vezes têm dificuldade em controlar o quanto elas comem de certos alimentos” (2)


Além de todos os pensamentos e crenças que uma pessoa pode ter ou não, ou seja, acreditar ou não que é viciado, existe algo que todos vivenciam, o desejo intenso por comida. Ele funciona como um pequeno episódio mental, um filme que passa na mente das pessoas. Ele pode ser iniciado por um pensamento que entra na consciência e seduz com a criação de imagens vívidas, que antecipam o consumo do alvo desejado (por exemplo um chocolate). Isso se torna problemático, conforme este filme se passa com imagens cada vez mais vívidas e intensas, além de uma sensação de falta. Recentemente uma pesquisa de nosso grupo identificou fatores que aumentam a probabilidade desse filme ser iniciado na mente, e o mais intenso é a prática de dietas. (3)


Costumamos desejar aquilo que não temos, e aquilo que é necessário também, e a comida é necessária para garantir a manutenção da vida, portanto será desejada, porém quando um indivíduo está realizando uma dieta restritiva a probabilidade da sensação de ‘falta’ aumenta. Quando as pessoas se submetem a dietas como low-carb, elas estão entrando em um modo de autocontrole alimentar que automaticamente vai gerar pensamentos sobre comida (sobre aquilo que não se deve comer), desta forma o alvo que não pode ser desejado (“não posso comer chocolate”) irá se transformar em um processo elaborativo (o filme), quando se imagina como seria gostoso comer. O grande desafio atual é lidar com os desejos, em um ambiente que gera tantos estímulos para o comer, e com a pressão estética que leva as pessoas a tentarem se controlar para modificar seus corpos. (4)




Jônatas é nutricionista e pesquisador no Programa de Transtornos Alimentares do Instituto de Psiquiatria da USP.



(1) Oliveira, J., Oskinis, S., Santos, A. C. D., & Cordás, T. A. (2020). Existe uma relação entre autocompaixão e adição à comida em mulheres com comportamentos alimentares disfuncionais?. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 69, 211-219.


(2) Oliveira, J., Colombarolli, M. S., & Cordás, T. A. (2021). Prevalence and correlates of food addiction: Systematic review of studies with the YFAS 2.0. Obesity Research & Clinical Practice.


(3) Oliveira, J., Figueredo, L., & Cordás, T. A. (2020). Prevalência de comportamentos de risco para transtornos alimentares e uso de dieta “low-carb” em estudantes universitários. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 68, 183-190.


(4) Oliveira, J., & Cordás, T. A. (2020). The body asks and the mind judges: Food cravings in eating disorders. L'encephale, 46(4), 269-282.


27 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo